Distrital do Porto manifesta-se contra as novas travessias do Douro

A Juventude Popular considerou hoje de “folclóricas” as intenções de Luís Filipe Menezes em avançar para a construção de 4 novas travessias do rio Douro e lamentou a continuação da “política de espectáculo levada a cabo por Menezes”.

“O show mediático que o Sr. Presidente da Câmara de Gaia insiste em protagonizar deve terminar por respeito a todos os Portugueses. Nos tempos que correm, sequer sugerir a construção destas obras é um sinal de que não se aprendeu nada com o passado recente e que a diferença entre políticos como Luís Filipe Menezes e José Sócrates realmente não existe. Aconselhamos antes a construção de uma outra ponte: para a honestidade política.”

O líder da JP Porto lamenta “a teoria da capitalidade defendida pelo Sr. Presidente da Câmara de Gaia” e acrescenta que "onde se deveria realmente investir esforços e não necessariamente toneladas de euros, porque esse saí do bolso dos contribuintes, seria na atracção de investimento estrangeiro, na autonomia das nossas infra-estruturas, na estabilidade das nossas empresas, no saneamento das finanças públicas, numa gestão autárquica sóbria e eficaz e na fixação de competências na região.”

João Ribeirinho Soares teceu estas considerações após uma visita com jovens autarcas do concelho do Porto à zona ribeirinha da cidade no sentido de avaliar possíveis impactos destas obras no ordenamento urbanístico da cidade.

A JP declara-se contra o projecto avançado por Luís Filipe Menezes “sob pena de estarmos perante um longo fogo de artificio que tem um fim trágico anunciado. O sobreendividamento da região e a pobreza.”

Tag Line