Opinião | Disciplina nas escolas


DIOGO MEIRELES
SECRETÁRIO-GERAL DA DISTRITAL DO PORTO DA JUVENTUDE POPULAR

Hoje em dia a transformação da sociedade que observamos faz-se sentir também nas próprias escolas, o que leva à transformação daquilo que é o contexto escolar e das várias instituições de ensino em Portugal.


Nunca antes os professores estiveram tão qualificados, nunca antes houve tanta facilidade no acesso ao ensino, nunca antes houve tão boas condições nos estabelecimentos de ensino. Muito embora todos estes fatores enunciados induzam para uma melhoria da qualidade do ensino, nunca antes se notou tanta indisciplina.

Mas afinal, qual será o real problema nas escolas? São os professores, são os alunos, será a relação professores/alunos ou até as normas do contexto escolar?

A nossa sociedade tem evoluído fugazmente. As grandes dificuldades de outrora parecem ultrapassadas mas outros desafios aparecem pelo caminho. O sistema de ensino não é exceção a essa mudança e mesmo que as escolas tenham ultrapassado alguns grandes desafios, entretanto novos desafios tornam-se realidade.

Se recuarmos ao estado do ensino no passado a imagem temos é a de um professor com a “régua na mão” e a palavra que melhor traduziria o ambiente na sala de aula seria “disciplina”. Pois bem, hoje em dia a imagem será mais a de um professor a ser desautorizado, um aluno a usar o telemóvel sistematicamente e até mesmo se verifica a aprovação de alunos só para cumprir metas estatísticas de “sucesso escolar” e a palavra para tudo isto é intuitivamente indisciplina.

O mundo exterior à escola sofreu enormes alterações. A sociedade em geral evoluiu, está diferente. Por um lado há mais facilidade com ótimas vias de comunicação. Há mais e melhor tecnologia com inúmeras plataformas que permitem a pesquisa em bases de dados em tempo real e com variadíssimas fontes. Há melhores condições ao nível do material didático para facilitar o estudo dos alunos e o trabalho técnico e pedagógico dos professores. Mas há outras dificuldades que têm vindo a impactar o sucesso escolar. Nomeadamente a relação entre professores e alunos e a leveza das regras no contexto escolar que impactam o ambiente que se verifica na sala de aula e fora dela.

Um comportamento indisciplinado é qualquer ato ou omissão que contraria alguns princípios internos ou regras básicas estabelecidas pela escola ou pelo professor ou pela comunidade.


Naturalmente que o aluno traz para a aula os valores e atitudes que foi apreendendo até aquele momento. E essa indisciplina pode ser um reflexo da ausência de condições para uma adequada educação familiar.

Os motivos da indisciplina dos alunos podem ser extrínsecos à aula, tais como problemas familiares, inserção social ou escolar, excessiva proteção dos pais, carências sociais, forte influência de ídolos violentos, entre outros.

Mas paralelamente ao comportamento do aluno e do professor temos as regras de funcionamento estabelecidas pela escola, as suas formas de coação e de incumprimento. Pois bem, neste aspeto parece haver um enorme vazio para dar resposta a casos de indisciplina. Talvez por essas mesmas regras não serem levadas a sério ou acabam por não ser incitadas a serem cumpridas ou até por não haver qualquer consequência para quem não cumpre.

Outra grande problemática é o nível de exigência da aprendizagem. Chegamos ao dia em que mais rapidamente se culpa o professor por o aluno ter reprovado. Sempre houve quem soubesse a matéria na “ponta da língua” e o contrário. Não se pode é fugir a esta realidade colocando tudo no mesmo saco somente para cumprir taxas de sucesso que na realidade não são assim. Um bom ensino não é aquele que tem por si só ótimas taxas de aprovação, um bom ensino é aquele que garanta que quem obtenha nota positiva esteja realmente apto para desempenhar funções decorrente das suas qualificações.

É preciso que volte a haver disciplina nas escolas mas esta tem vindo sucessivamente a perder-se. Quer seja a disciplina comportamental quer seja a disciplina por via da exigência da própria aprendizagem. 


Quais serão as formas de promover a disciplina qb (quanto baste) nas escolas?

  • Reforçar o papel das regras de funcionamento e princípios internos
  • Reforçar o papel dos procedimentos disciplinares
  • Reforçar a autoridade do professor
  • Reformular os níveis de exigência na aprendizagem
Em suma, a indisciplina advém do sujeito indisciplinado mas cabe à comunidade escolar controlar os efeitos da indisciplina com o envolvimento de alunos professores e com as direções das escolas a liderar esse processo ao reforçar poderes aos regulamentos internos e prosseguir fortemente o cumprimento dessas mesmas normas internas e dos procedimentos disciplinares instaurados.



Tag Line